Arquivo da tag: Rodas da Paz

Imagens (XXI)

12º Passeio da Rodas da Paz, descida para a Praça dos Três Poderes. Foto do blog.

12º Passeio da Rodas da Paz, descida para a Praça dos Três Poderes. Foto do blog.

Anúncios

Reflexão: ciclofaixa do lazer de Brasília

A ong Rodas da Paz divulgou texto sobre a ciclofaixa de lazer feita a toque de caixa em Brasília e as prioridades de uma verdadeira promoção da cultura cicloviária:

Uma reflexão da Rodas da Paz sobre as ciclofaixas de lazer

Nos últimos dias muita atenção tem sido dada as novas ciclofaixas de lazer. A questão central é: de que forma elas tem potencial para contribuir para a cultura cicloviária do DF? Deixamos alguns pontos para contribuir com essa questão e com o planejamento da nossa política de ciclomobilidade.

A ciclofaixa de lazer é uma ideia interessante por oferecer mais um espaço de lazer para o brasiliense e limitar o espaço viário dedicado aos carros. Contudo, é preciso lembrar que esta é uma política complementar para promoção do uso da bicicleta e que deve ter por objetivo o convívio harmônico e o respeito as diferentes opções de mobilidade urbana.

Para cumprirem seu papel, as ciclofaixas de lazer devem estar associadas a um projeto de valorização da cultura cicloviária. Isto significa promover campanhas massivas de educação dos ciclistas, motoristas e pedestres e de fiscalização sobre o cumprimento do CTB, principalmente no que diz respeito a noção de que a bicicleta é um veículo; assim como executar estratégias permanentes de moderação do tráfego e redução dos limites de velocidade.

Nesse sentido, as campanhas devem prioritariamente orientar os motoristas à obediência ao Código de Trânsito e para uma conduta de respeito ao ciclista e ao pedestre, promovendo a segurança e garantindo a proteção à vida. Isso quer dizer que os motoristas devem ser orientados a reduzir a velocidade e oferecer pelo menos 1,5m de distância em ultrapassagens e dar a preferência à bicicleta nos cruzamentos e nas entradas.

No entanto, há pouco que aponte nessa direção. Os panfletos distribuídos nas ciclofaixas de lazer, por exemplo, se restringem, até então, exclusivamente aos ciclistas, não sendo voltados aos motoristas. Do mesmo modo, não há sinalização nas ciclofaixas (nem nas ciclovias) que mostre que a preferência é do ciclista. No caso do sudoeste, a sinalização indica, contraditoriamente, a preferência dos veículos motorizados.

Lembramos também que os custos envolvidos nas ciclofaixas não são pequenos, pois é preciso sinalizar as vias, comprar cones e deslocar agentes para montar e desmontar a operação. Não é contraditório deslocar tamanho investimento para uma estrutura temporária de lazer, enquanto a infraestrutura permanente para transporte nas cidades satélites, onde há o maior número de usuários de bicicleta (e de acidentes), é precária?

Afinal, por que a sinalização da Ciclofaixa, que só funciona uma vez por semana em dia de baixo tráfego de carros, foi feita antes da sinalização das ciclovias em implantação, que são para uso diário no transporte?

Essas questões, que há tempos vem sendo apresentadas pela Rodas da Paz no Comitê Gestor da Política de Mobilidade Urbana por Bicicleta do DF, reforçam a necessidade de que a participação popular nesse processo seja mais efetiva. Afinal, os usuários de bicicletas e as organizações que lutam por um trânsito mais humano e uma mobilidade cidadã tem grande experiência prática e conhecimento no tema – que é muito recente no país.

Para promover a cultura cicloviária para além da contribuição positiva, mas limitada, das ciclofaixas de lazer, é urgente que o GDF promova a participação efetiva da sociedade e a mobilização dos que tem na bicicleta seu meio de transporte ou lazer, a exemplo de outras grandes cidades do Brasil.

Rodas da Paz, abril de 2013.

Shopping de Brasília usa serviço de bikeboy

O pessoal do Rodas da Paz fez, na terça-feira (29), mais um serviço de entregas, em parceria com o shopping Conjunto Nacional. Três ciclistas experientes levaram kits do Dia dos Namorados para 15 veículos de comunicação, espalhados por regiões como Lago Sul, SIG e SIA.

Phillip James, Anderson e Uirá, de partida para fazer entregas. Foto de divulgação.

Este ano, a campanha do shopping para o Dia dos Namorados tem apelo ciclístico, incluindo sorteio de uma bicicleta elétrica e distribuição de adesivos pedindo respeito ao ciclista.

E a Rodas da Paz realiza no próximo domingo (3) a 10ª edição do seu passeio ciclístico, com concentração a partir das 9h, no Museu da República.

Carta sobre ciclovias no DF

O coletivo Sociedade das Bicicletas e a ong Rodas da Paz divulgaram carta em que questionam a falta de planejamento cicloviário no contexto da implementação de ciclovias no Distrito Federal.

Abaixo os pontos iniciais da carta. Veja a íntegra aqui.

CARTA DE ESCLARECIMENTO

É preciso rever o processo de análise e aprovação dos projetos cicloviários do DF

1) A Sociedade das Bicicletas entende que ciclovias são necessárias, mas que são apenas um entre diversos elementos constituintes do planejamento cicloviário.

2) Somos contra a instalação de ciclovias sem um estudo ou contagem de bicicletas que reflita a real necessidade de deslocar mão-de-obra e recursos para tal finalidade.

3) Somos contra a instalação de ciclovias nas faixas verdes da capital – faixas verdes têm importância na diminuição das “ilhas de calor” das cidades, no planejamento da microdrenagem sustentável, na manutenção da biodiversidade da fauna e flora, servindo de verdadeiros “corredores ecológicos”.

4) Cobramos e apoiamos o incentivo governamental à bicicleta, mas, para que isto ocorra com sustentabilidade em longo prazo, é necessário que se faça planejamento cicloviário, e não apenas obras.

Mar de bicicletas

É difícil não acreditar na bicicleta como meio de transporte quando centenas de pessoas em duas rodas tomam as avenidas de Brasília numa manhã de domingo. Da Praça do Museu da RepúblicaPraça das Bicicletas à Ponte JK, e de volta, o mar laranja do 7º Passeio Ciclístico Rodas da Paz varreu os carros para o canto – com muito respeito – e transformou um dia cinzento numa festa.

Engarrafamento que anda: bicicletas a caminho da L4.

Engarrafamento que anda: bicicletas a caminho da L4.

Homens, mulheres, crianças e cachorros, entre outras figuras menos excêntricas, desfilaram com animação e sem incidentes por estimados 15 km. Para uma cidade que vê bicicletas como miragens no dia-a-dia dominado pelos automóveis, a procissão teve um quê de surreal, ao mesmo tempo um fato surpreendente e uma mensagem de esperança.

No caso do passeio de domingo, especificamente, esperança de que o Governo do Distrito Federal cumpra a promessa, feita em 2007, de entregar 600 km de ciclovias até 2010. Para mim, pessoalmente, esperança também de que as pessoas percam o medo e botem as bikes na rua não só no domingo, mas segunda, terça, quarta…