Muitas tragédias

O atropelamento de mais de uma dezena de ciclistas, em Porto Alegre, na sexta-feira passada não foi só um momento de horror para as vítimas diretas e demais participantes do passeio. Com o desdobramento do caso, que dificilmente será rápido ou simples, perderemos todos que convivemos diariamente nas ruas, em bicicletas ou carros (ou motos, caminhões, ônibus). A perspectiva, qualquer que seja o resultado da ação penal contra o motorista envolvido, não é de maior conscientização; é, sim, de aprofundamento da intolerância e do radicalismo.

Ciclistas mais ou menos engajados na promoção do uso da bicicleta se tornarão mais enfáticos – e agressivos – na relação com os motoristas. Motoristas terão uma nova “justificativa” para reações violentas contra ciclistas. E, principalmente, não-ciclistas se sentirão ainda mais desmotivados a adotar a bicicleta como meio de transporte cotidiano.

A previsão pode parecer pessimista, mas, no momento em que grupos de ciclistas de vários estados se organizam para realizar protestos ao longo da semana, os comentários nos sites de notícias já dão uma indicação do que vem a seguir. “Ciclistas palhaços”, brada um leitor, contrariado com a obstrução do trânsito pelos passeios ciclísticos. “Estão querendo mais aparecer do que protestar”, critica outro. “Os ciclistas são abusados mesmo. Se alguém jogar a bicicleta por cima do meu carro, não penso duas vezes. Passo por cima mesmo”, sentencia um terceiro.

Crer que a intolerância é exclusividade de motoristas, no entanto, é um erro. Entre os ciclistas engajados há também aqueles que pregam o enfrentamento e até a violência para “ensinar” aos condutores de automóveis as leis de trânsito. Parte das barbaridades como a registrada na capital gaúcha ocorre justamente no calor de discussões entre selvagens de ambas as frentes.

Não se trata, aqui, de relativizar a responsabilidade do atropelador de Porto Alegre. O Código de Trânsito Brasileiro, em seu artigo 29, dispõe, por exemplo, que “respeitadas as normas de circulação e conduta estabelecidas neste artigo, em ordem decrescente, os veículos de maior porte serão sempre responsáveis pela segurança dos menores, os motorizados pelos não motorizados e, juntos, pela incolumidade dos pedestres”.

Além dos aspectos puramente legais, a explicação dada pelo motorista, de que os ciclistas sem razão alguma decidiram em conjunto linchá-lo pelo simples fato de possuir um automóvel, parece pouco crível.

Suponhamos, então, que o motorista seja de fato um facínora destemperado e que sua passagem no meio do passeio tenha sido realmente uma tentativa de homicídio (ou várias). A que paraíso uma pena severa pode nos levar?

Anúncios

2 Respostas para “Muitas tragédias

  1. Pingback: Mantida condenação a (outro) atropelador no RS | Pedaladas Capitais

  2. Pingback: Fórum Mundial da Bicicleta | Pedaladas Capitais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s